#CARÁTER #PERSISTÊNCIA#DISCIPLINA#HUMILDADE

Podcast #22 – Efeitos do treinamento físico na hipertensão

HIPERTENSAO_INVICTUS

Hey 🙂
Chegando para mais um episódio , o de número 22 da nossa série. Hoje debatemos os mecanismos pelo qual o exercício tende a exercer efeito hipotensor a curto, médio e longo prazo.

Questão de saúde pública.

Siga o feed no Spotyfi, no iTunes ou sempre por aqui se preferir.

Podcast#21 – Muitos instrutores, raros treinadores

Nesse episódio coloco meu ponto de vista sobre a formação continuada do profissional de educação física, as demandas da sociedade, a importância do ser como um todo, e não somente físico, não somente corpo.

Fica a afirmação:

“Em um mercado saturado de instrutores, cada vez mais raros são os treinadores”

Comente por aqui e sucesso sempre!

Podcast#20 – Hérnia de Disco: causas, possibilidades e o papel do treinador

Uma das perguntas mais recorrentes por aqui: Tenho hérnia de disco…posso treinar? Deve, e o quanto antes.

A questão é que na grande maioria dos casos a hérnia é uma consequência, nunca uma causa. Portanto, tratá-la como algo “irremediável” é o primeiro passo para seu quadro nunca melhore.

A coluna do ser humano é constituída como tal justamente para interagir com o meio, recebendo as cargas que lhe são impostas dia após dia.

Não podemos nos esquecer que os discos intervertebrais funcionam como legítimos amortecedores, suavizando impactos e permitindo uma variedade realmente grande de possibilidades motoras. O grande ponto aqui não é a sobrecarga em si, mas se as vértebras estão fazendo o que delas se espera, ou seja,ora estabilizar, ora mobilizar, ora agir em sinergia para que ambas situações sejam possíveis sem que haja decréscimo de uma ação em função da outra.

Ouça o episódio, comente por aqui. O debate sempre engrandece a todos!

Já estamos no iTunes, agora no Spotify, segue lá e tmj 🙂

Abraço!

Podcast#19 – Paixões: preparação física, futebol e organização de treinamento.

Veja que esse artigo também é um podcast! Não deixe de ouvir o áudio!

Pode parecer um ponto fora da curva nos nossos escritos por aqui. Como assim envolver o futebol no ambiente de academia? 

A verdade é que na minha visão, preparação física em si contém a mesma estrutura, seja para o alto rendimento, seja para o cidadão comum. Em ambos devem existir processos que contemplem as vertentes físicas e psicológicas em bases estruturadas e progressivas.

Aproveitando a ocasião da Copa do Mundo ⚽️ realizada na Rússia (ainda farei um mestrado por lá 🎯), decidi colocar como disponível para leitura minha pesquisa de tempos de FEFISA, que rendeu muita experiência e aguçou ainda mais minha vontade em trabalhar para o resto da vida com preparação física. Eis o título:

A PRÉ–TEMPORADA E A PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DO CALENDÁRIO NO BRASIL E NA EUROPA

BAIXE AQUI A PESQUISA EM PDF

Essa aventura começou em 2010, ainda no terceiro ano de faculdade em uma conversa bem informal com o mestre Nicolino Bello (gratidão total) sobre a disparidade abissal que vivemos em nosso futebol quando comparado ao futebol europeu. As diferenças residem em todos os aspectos, mas nos atentamos à nossa área em si, sobre em como a preparação dos atletas para um ano inteiro de competições, que podem somar até 80 jogos (quase 1 jogo a cada 4 dias, com distância média percorrida de 12km a 55% do VO²pico) é feita em míseros 12 dias. Esses dados são de 2011/2012. Hoje a realidade mudou um pouco, 15 dias. Sim, estamos longe do ideal.

“É inadmissível fazer 12 dias de pré-temporada depois de um mês de férias e iniciar uma competição. Tem de dar um mês de trabalho (sic).”

Abel Braga, técnico

Se nós da área acadêmica já julgávamos o tempo de preparação física curto, imagina quem trabalha e é cobrado insistentemente por imprensa e torcida em relação à rendimento e alta performance desde o primeiro minuto em campo. Além de mover paixões, o futebol é um mercado milionário que envolve cifras inimagináveis para a realidade do brasileiro.

Somado a isso, a falta de tempo para um trabalho bem executado resulta sempre em lesões que podem deixar de fora um atleta que custa R$300,000,00 na folha salarial do clube, gerando um déficit absurdo ao clube.

Imagine a pressão em cima da equipe de fisiologia e preparação física.

Coube a mim discorrer sobre esses fatos, colocando um paralelo com os clubes europeus, tão acima da realidade. Durante a jornada de pesquisa, pude conhecer profissionais exemplares, em uma caminhada que nem imaginava trilhar: entrevistei profissionais altamente gabaritados como Antonio Carlos Gomes  (superintendente do Comitê Olímpico Brasileiro – COB), Altamiro Bottino (fisiologista dos mais incríveis que conheço), Élio Carraveta (simples e genial em encontrar soluções e propor metodologias de trabalho altamente eficientes), entre os outros 11 profissionais que há época eram fisiologistas ou preparadores físicos de clubes da série A do futebol brasileiro.

QUANDO ENTREVISTEI PROFISSIONAIS DO REAL MADRID, SEVILLA, VILLARREAL, BARCELONA E VALENCIA

A pesquisa ganhou ainda mais relevância quando de modo quase inimaginável conseguimos entrevistar os profissionais dos clubes espanhóis mencionados acima. Pra mim, é como se em cada resposta eu estivesse dentro do Santiago Bernabeu ou do Camp Nou. A partir disso conseguimos desenvolver uma pesquisa que nos possibilitou dois convites para congressos, em 2011 e 2012. Experiências de valor inestimável.

mauro-invictusfutebol

Técnico de futebol Jorginho, no saguão do hotel em Porto Alegre

invictus-mauro

Kléberson, pentacampeão com a seleção em 2012, comigo no Congresso Internacional de Futebol

BAIXE AQUI A PESQUISA EM PDF

CONSTATAÇÃO FINAL: FORÇA REALMENTE É MÃE DE TODAS AS CAPACIDADES FÍSICAS

É algo que trago até hoje comigo e que se tornou na minha base metodológica aplicada na Invictus uma verdade irrefutável: desenvolva força e conquiste resultados incríveis.

Absolutamente todos os preparadores físicos consideram essa a mais importante capacidade física a ser desenvolvida no período de pré-temporada, cientes de que assim sendo, as demais valências virão como consequência desse trabalho. É o que fazemos por aqui também, claro que dentro da realidade de um cidadão comum.

BAIXE AQUI A PESQUISA EM PDF

Para quem trabalha com preparação física, seja personal trainer ou não, vale muito a leitura, e comprovadamente o paralelo funciona. Desenvolva seus clientes e alunos como atletas de fato, e faça com que eles colham sucesso para que você possa fazer o mesmo.

Viva o futebol!

Podcast#18 – Treino de força para corredores de rua – Amamos lactato!

Treino de força para corredores de rua é uma ciência apaixonante!

Cada vez maior do Brasil, o número de corredores de rua só aumenta a cada ano, o que praticamente nos obriga a entender o que um corredor precisa em relação ao treinamento de força. Vamos mais uma vez quebrar paradigmas!

Falo sobre a relação testosterona e cortisol, sobre o marcador de desgaste muscular CK e claro, sobre nosso querido e amado lactato!

Meu abraço à Márcia e Agrinaldo, meus “pupilos”!

Você pode querer ler isso https://esportes.estadao.com.br/blogs/corrida-para-todos/alinhamento-da-pelve-melhora-a-corrida/

Existem três coisas nesse mundo que não gostamos de desperdiçar: tempo, dinheiro e LACTATO!

Saiba sobre tudo isso no episódio #18 do nosso Podcast!

Veja mais sobre lactato (nosso queridinho!) nesse excelente artigo dos meus amigos do Quatrode15

E aqui o artigo que cito no áudio sobre a relação testosterona e cortisol em corredores!

Se inscreva ao lado para receber as notificações a qualquer momento, e também no canal INVICTUS ACADEMY do iTunes.

Dúvidas, sugestões? Deixe nos comentários ok;)

 

Podcast#17 – Mobilidade Articular, o primeiro passo no treinamento funcional

Mobilidade articular é o primeiro passo para que a potencialização do treinamento possa ocorrer com segurança e desempenho.

Já ouviu dizer que levantamentos olímpicos, prática normal em studios de treinamento funcional e Crossfit, pode causar lesões sérias em ombros? Com certeza já. Mas eu garanto a você que eles são seguros, desde que haja uma análise de mobilidade articular que direcione o praticante para arrancos e arremessos.

Caso não haja uma mobilidade articular em níveis muito bons, provavelmente sim, haverá lesões. Ou seja, o vilão não é o exercício, mas o momento no qual ele foi inserido na rotina de treinamento do cliente.

Saiba sobre tudo isso no episódio #17 do nosso Podcast!

Escrevi um artigo sobre isso, e você ler aqui>>> mobilidade

Se inscreva ao lado para receber as notificações a qualquer momento, e também no canal INVICTUS ACADEMY do iTunes.

Dúvidas, sugestões? Deixe nos comentários ok;)