Hipertensão Arterial – Tratamento pelo Exercício Físico

Hipertensão Arterial – Tratamento pelo Exercício Físico

Hipertensão arterial exige tratamento contínuo e a inclusão do exercício físico planejado na rotina do paciente.

Hipertensão apresenta mais de 2 milhões de novos casos por ano no Brasil, sendo grande responsável pelo alto número de morbidade e mortalidade cardiovascular. Entre as consequências mais graves estão o infarto agudo do miocárdio e outras patologias isquêmicas do coração.

Antes de começar a demonstrar como o exercício atua como agente hipotensivo, preciso dizer que se você é hipertenso e ainda não esta inserido em nenhum tipo de treinamento físico, consulte um médico de extrema confiança e faça seus exames, principalmente exames que chequem o comportamento da pressão arterial em esforço. E por favor, não caia na besteira de apenas caminhar…veremos que, com critérios estabelecidos pelo bacharel em educação física, o exercício de alta intensidade pode gerar com segurança os maiores efeitos hipotensivos, tanto no treinamento agudo como principalmente crônico.

E, também devo alertar que o tratamento da hipertensão é multifatorial, ou seja, se faz necessária a mudança para um estilo de vida mais inteligente, com escolhas certas e muita coragem para os necessários “NÃOS” a serem ditos.

Leia aqui: Como o exercício físico pode alterar o estado de Diabetes. 🐝

COMO É DEFINIDA A PRESSÃO ARTERIAL

O coração é muito acometido pela hipertensão. Mas a culpa não é dele. Na verdade, em um indivíduo com hipertensão, muitos fatores fisiológicos, neurais e hemodinâmicos fazem com que o coração trabalhe em limites extremamente fatigantes.

Para entender o mecanismo que gera hipertensão, é preciso saber como a Pressão Arterial é definida e seus dois principais marcadores.

Um deles é a PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA (PAS). Níveis pressóricos tidos como normais e aceitáveis em repouso demonstram uma pressão menor que 120 até 139mmHg (milímetros de Mercúrio) . Esse número é a estimativa indireta obtida normalmente por um esfigmomanômetro aneroide, demonstrando numericamente a pressão exercida pela saída do fluxo sanguíneo, vindo do ventrículo esquerdo do coração, diretamente nas paredes arteriais. Essa saída de fluxo é denominada SÍSTOLE VENTRICULAR, daí o nome PRESSÃO SISTÓLICA.

O coração em si é uma bomba, que envia e recebe um fluxo continuamente. Ao evento chamado sístole, onde o fluxo sai do coração através da contração do músculo cardíaco para irrigar os vasos dos tecidos e fazer os demais papéis fisiológicos que lhe compete, é esperado também que haja um período de relaxamento pós-contração. Esse período de relaxamento é chamado DIÁSTOLE, e daí a nomenclatura PRESSÃO DIASTÓLICA. Em repouso, uma pressão diastólica entre números menores que 80 até 89mmHg são aceitos como normais no meio clínico. Veja o vídeo esse ciclo incrível do músculo cardíaco:

 

VOCÊ É HIPERTENSO?

Veja na tabela abaixo o que a Sociedade Brasileira de Hipertensão considera como parâmetros para hipertensão:

hipertensão Exercício
Adaptado da obra “Cardiologia do exercício – Do atleta ao cardiopata” 3º Ed.

Observe os tópicos “Limítrofe” e “Estágio 1”. Esses casos são os mais prevalentes no Brasil, mas também são os que mais são suscetíveis à adaptações seguras perante o treinamento físico.

 

[INFOGRÁFICO] CONSEQUÊNCIAS DA HIPERTENSÃO NO BRASIL

Os números a seguir relatam um problema enorme de saúde pública e cada vez mais crescente no nosso país. Os custos para o tratamento da hipertensão são assustadores. Suas consequências ainda mais.

infografico_invictus_hipertensao

 

EVENTOS REGULADORES DA PRESSÃO ARTERIAL

MECANISMO RENINA-ANGIOTENSINA

Esse mecanismo é responsável pelo aumento dos fluidos corporais, comumente chamado de RETENÇÃO HÍDRICA.  E ele ocorre da seguinte forma:

– O fluxo sanguíneo renal se encontra diminuído, o que acarreta em liberação da enzima RENINA pelo referido órgão;
– Estando a RENINA liberada pelos rins, ela rapidamente estimula a formação de ANGIOTENSINA I,  que por sua vez se converte em ANGIOTENSINA II;
– A ANGIOTENSINA II  produz a constrição dos vasos sanguíneos arteriais e estimula a secreção do hormônio ALDOSTERONA pelo córtex da supra-renal, causando a retenção de sódio e sais pelos rins.

renina_hipertensao_invictus_treinamento_funcional

Portanto, o acúmulo de fluidos dentro do sistema obviamente aumenta sua pressão.

 

MECANISMO NEURO-HORMONAL DA PRESSÃO ARTERIAL

Outros eventos fisiológicos são determinantes para a pressão arterial. Nosso corpo tem uma regulação perfeita e cheia de detalhes. Se o mecanismo RENINA-ANGIOTENSINA tem característica hormonal, citamos aqui o sistema nervoso central (SNC) como controlador adjunto da pressão arterial, controlando diretamente o ritmo cardíaco.

O sistema nervoso simpático (SNS) é responsável por acelerar o ritmo cardíaco, influindo diretamente na pressão arterial. Isso acontece devido à ação das chamadas CATECOLAMINAS, especialmente a ADRENALINA e a NORADRENALINA. Esses hormônios neurais atuam acelerando a despolarização do nódulo sino-atrial. Em termos mais simples, ambos hormônios atuam para dar um ritmo mais acelerado (efeito cronotrópico) e forte (efeito inotrópico) do músculo cardíaco, em uma magnitude quase duplicada quando comparada à não-ação desses hormônios.

O sistema nervoso parassimpático atua contrarregulando o ritmo cardíaco através da Acetilcolina, tendo como ação a diminuição do tônus vagal, um efeito denominado BRADICARDIA.

Leia também: Como o treinamento de força é o principal dentro de um programa sustentado de emagrecimento.

 

MODULAÇÃO HIPOTENSIVA DO EXERCÍCIO

Já está bem estabelecido que o exercício exerce diversas alterações fisiológicas, seja em uma única sessão (efeito agudo) ou durante a adesão de várias semanas de modo periodizado e planejado (efeito crônico). Se sabe com certeza absoluta que o exercício exerce efeito hipotensivo, proporcionando uma vida menos dependente de remédios em alguns casos. No entanto, muitos desses efeitos ainda não estão bem elucidados na literatura. A seguir, listo alguns dos mais importantes que se tem pleno conhecimento.

Com relação a hipertensão, os principais benefícios são:

SECREÇÃO DE BRADICININA E ÓXIDO NÍTRICO

Ambos tem síntese e atividade aumentada durante o exercício, tanto aeróbio como anaeróbio, como apontado pela pesquisa de Moraes e colaboradores, da Universidade Federal de São Paulo.
O principal efeito tanto da BRADICININA quanto do ÓXIDO NÍTRICO é provocar vasodilatação, resultando em menor pressão arterial pós-exercício, sendo essa queda observada por até 48 horas.

ANGIOGÊNESE

Em suma, a Angiogênese é formação de novos vasos, novos capilares. O Óxido Nítrico também participa ativamente no processo, assim como um estado temporário de hipóxia, ou seja, a ausência de O² nos tecidos. A essa ausência temporária, resultado de uma demanda aumentada de O² para o músculo esquelético em exercício, a resposta fisiológica é a ativação do *Fator de Transcrição Induzível por Hipóxia* (HIF) que por sua vez induz o aumento do *Fator de Crescimento Endotelial Vascular* (VEGF). Um artigo que relata esse mecanismo de modo mais efetivo pode ser lido aqui.

DIMINUIÇÃO DA ATIVIDADE NERVOSA SIMPÁTICA

Como dito, o sistema nervoso simpático tem ação decisiva na pressão arterial, sendo responsável direto em estado de hipertensão. Esse artigo atribui, segundo suas pesquisas, que a diminuição da atividade nervosa simpática tende a se estender por um prolongado período de tempo, por conta de menor sensibilidade dos receptores Beta-adrenérgicos, resposta tal gerada pelo exercício físico.

MENOR ATIVAÇÃO DO SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA

Em um estudo clássico de Felix e Michellini, foi demonstrado que 3 meses de exercício é capaz de normalizar os níveis do RNA mensageiro do Angiotensinogênio, resultando em menor ativação do sistema Renina-Angiotensina, que por sua vez diminuiria a atividade nervosa simpática, gerando um efeito hipotensivo pelo mecanismo já citado.

 

CRITÉRIOS PARA ELEGER O TREINAMENTO IDEAL

Consulte sempre um Bacharel em Educação Física para que, em posse dos exames prévios e de um acompanhamento diário do comportamento da pressão arterial tanto em repouso como em exercício, ele possa entender cada caso como único e direcionar o volume e intensidade de exercício necessários para o momento. Naturalmente, se todas as variáveis forem consideradas, se torna até mesmo possível que o consumo de diuréticos e beta-bloqueadores seja reduzido ou até mesmo cortados do tratamento.

Mas atenção! Essa condição é extremamente clínica, sendo ela de prerrogativa totalmente médica. Assim como a automedicação é perigosa, a interrupção medicamentosa por critérios subjetivos também o é. Seja prudente.

O exercício possibilitou isso a você? Me conte nos comentários abaixo. 

Grande abraço!

– Prof. Mauro Ramos